Produtos e soluções profissionais

CONSELHOS FÖRCH.

Condução mais segura com chuva.

26/11/2018

Conduzir com chuva.

Com a chegada da época fria chegam as chuvas e o risco de acidente multiplica-se. Por isso resulta fundamental saber como actuar mo momento de fazer uma viagem pela estrada.

Em quanto veja as primeiras gotas de chuva, momento em que o asfalto fica mais resvaladiço, devemos adoptar a pré-disposição de realizar uma condução mais segura. É tão importante estar atentos à nossa condução como do tráfico. Qualquer despiste pode ser fatal.

 

LUZES DEL AUTOMÓVEL

Antes de tudo, convém que revise as luzes do seu automóvel, pois melhoram a visibilidade e ajudam a reduzir o risco de acidentes. A pouca iluminação e as condições climáticas adversas influem na sinistralidade na estrada e nas zonas urbana. É que, mesmo que não seja de noite, é fundamental ser vistos com antecedência pelo resto de condutores. E mais se é num dia de chuva, aonde se produz um reflexo do feixe de luz sobre a estrada. Isto facilita mais ainda a visão por o resto dos veículos. O ideal é levar as luzes mínimas, não as médias, que são inúteis nestes momentos.

VISIBILIDADE COM CHUVA

Quando as condições visuais pioram por causa da chuva intensa e da aparição de nevoeiro, então, devem acender-se as luzes de nevoeiro, tanto dianteiras como traseiras. Não está demais, ao chegar a estas datas, comprovar os faróis, bem como a intensidade das lâmpadas. Além de controlar que funcionam correctamente, veja a altura dos faróis para não atingir ao resto de usuários.

LIMPA PÁRA-BRISAS

Algo que também convém revisar com o mau tempo, é o bom estado dos limpa pára-brisas. Procure mantê-los limpos, revisando o nível do líquido (não está demais que inclua algum tipo de anticongelante se costuma enchê-lo com água. De facto, os líquidos do limpa pára-brisas costumam levar anticongelante, algum tipo de álcool ou similar, pois os recipientes levam avisos quase sempre que o conteúdo é inflamável). Não é habitual que essa água se congele (os condutos passam perto do motor, que deita calor), mas o frio às vezes impede que seja suficiente. É importante, pois assim poderá limpar mais facilmente a lama e a sujidade que desprendem o resto de veículos com o asfalto molhado.

SISTEMA DE VENTILAÇÃO

Também é importante reduzir a humidade interior que se forma com o frio e a humidade. Para isso, nada melhor que utilizar o ar condicionado, dirigindo a ventilação para o pára-brisas, ligando os sistemas desembaciadores ou abrindo um pouco a janela (com o fim de igualar a temperatura interior e exterior).

Importante: Se se encontra parado numa fila ou dentro de um túnel, o melhor para não inalar os gases tóxicos é que feche as janelas e ponha o ar no modo de recirculação.

PNEUS

É fundamental circular com uns pneus em perfeito estado, com a pressão correcta e uma profundidade de piso por cima de 1,6 mm.

NA ESTRADA

A aderência da pintura dos limites da faixa de circulação e outras marcas da estrada é menor que o asfalto e escorrega. Também se deve prestar atenção às passadeiras, pois pode-se chegar a perder o controlo do veículo. Trave antes de estar em cima delas. Outro truque para evitar acidentes é seguir as pisadas do veículo da frente: vai ajudá-lo a ter mais aderência ao pavimento.

Uma vez que tenha o automóvel a ponto, é importante que com as primeiras gotas também estejamos alerta com o asfalto da estrada. O motivo principal é que o asfalto molhado não é aderente ao pneu tal como gostaríamos e podem-se viver episódios de aquaplanning. Quer dizer, uma camada de água entre o pneu e o asfalto pode fazer que percamos o controlo absoluto do nosso automóvel. Cuidado com as poças.

Por esse motivo, a velocidade deve ser reduzida um 10% mais que o habitual ou uns dez quilómetros menos que o estipulado por os sinais da estrada ou da auto-estrada. É importante sinalar que quanta mais velocidade, mais chuva impactará sobre o pára-brisas. Pelo qual a nossa visibilidade reduz-se.

DISTÂNCIA DE SEGURIDADE

Outro dos aspectos a ter em conta é a distância de segurança. Devemos manter uma distância de segurança maior que a habitual. Mais o menos o dobro da normal. O automóvel com a chuva não trava totalmente nuns 5 metros. Não arrisque quando não é necessário. Tome especial atenção aos peões, ciclistas ou motoristas, pois a chuva reduz a visibilidade, aumenta a distância de detecção e provoca reacções imprevisíveis no veículo (perca de aderência, risco de perder o controlo…).

Inclusive se levamos ABS devemos manter muita mais precaução. Aparte de que travam pior, as nossas rodas podem ficar completamente bloqueadas. E mesmo que tenhamos ESP, não podem fazer milagres. Finalmente, a necessidade imperiosa de ultrapassar a todo o custo, deveremos reserva-la para outros momentos. Com chuva, devemos realizar as ultrapassagens quando estejamos completamente seguros, antes impossível. Podemos provocar um acidente considerável, assim que convém que ultrapasse correctamente.

Por último, não deve arriscar a sua segurança atravessando lombas ou zonas inundadas, já que desconhece a profundidade de possíveis buracos profundos ocultos por a água. Bem como, corre o risco de deixar o veículo retido numa piscina de água… e inundado. Já não é somente por os danos materiais se não que, quando um veículo se vê inundado, perde toda a tracção, e pode ser deslocado sem controlo nenhum por parte do condutor.

 

Em resumo, quando a chuva dificulte o nosso caminho pela estrada, é importante ter em conta:

Acender as luzes mínimas, e as de nevoeiro se é o caso.

Circular mais devagar que o habitual.

Dobrar a distância de segurança.

Dispor de pneus em bom estado.

Manter a precaução para com o resto de condutores.

 

Atrás a la vista general